Notícias, informação e debate sobre as queixas em saúde, nomeadamente quanto à negligência médica e erro médico em Portugal.
19.9.08

Os utentes devem estar conscientes que, quando vão aos serviços de saúde, «as coisas podem correr mal», apesar de «normalmente correrem bem», alertou esta sexta-feira um cirurgião, a propósito do erro médico, que afecta um em cada dez doentes.

José Fragata é director do Serviço de Cirurgia Cárdio-Torácica do Hospital de Santa Marta, em Lisboa, e irá sábado falar do erro médico durante um seminário sobre a «Segurança do Doente».

Em declarações à Lusa, José Fragata defendeu uma discussão livre e aberta em torno do erro médico e que este não esteja tão envolto em «culpas», mas sim em «responsabilidades».

O clínico reconheceu que «os médicos não gostam de assumir o erro», pois este «é sempre a frustração de um resultado». Na sua opinião, «mais importante do que perguntar quem fez isto [o erro] é tentar saber como é que isto aconteceu».

«Normalmente as coisas correm bem, mas as pessoas devem estar conscientes que, quando vão aos serviços de saúde, as coisas podem correr mal», disse.

E correm mal para uma em cada dez pessoas que recebem cuidados de saúde, segundo dados da Organização Mundial de Saúde, que também reflectem a situação em Portugal, de acordo com José Fragata.

O cirurgião acrescenta que não existem especialidades médicas isentas de erro, porque «a medicina é feita por humanos e errar é humano». Os erros devem, contudo, servir para a aprendizagem de quem está nos serviços, porque, «aprendendo com os erros, é possível evitá-los».

Erro faz duas vítimas: o utente e o médico

O médico enalteceu os dispositivos de segurança que fazem com que hoje em dia os erros possam ser muito mais evitados. José Fragata dá o exemplo dos alarmes nos monitores cardíacos que alertam para qualquer anomalia com o doente, ou a cor das mangueiras no fornecimento de anestesias, que informa quais os mecanismos que devem ser accionados.

São dispositivos de segurança que funcionam na medicina como o cinto de segurança ou o airbag na condução e que «ajudam os profissionais a errar menos».

O cirurgião alertou ainda para as condições em que o pessoal da saúde trabalha e que «condicionam os resultados». «Um serviço com menos meios humanos não pode exigir aos seus funcionários bons resultados», disse, estendendo a ideia à capacidade de quem lidera e ainda às condições técnicas.

Perante o erro, José Fragata lembrou que este «faz sempre duas vítimas: o utente e o médico».

O seminário que irá abordar esta temática tem como objectivo promover a notificação, a análise, a prevenção do erro médico e dos acontecimentos adversos ou complicações decorrentes da intervenção médica.

 

Link: http://diario.iol.pt/sociedade/medicos-erro-cirurgiao-oms-medicina/992711-4071.html 

link do postPor Inconformado, às 13:00  comentar

 
mais sobre mim
Setembro 2008
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30


arquivos